• Glauco Castro

Maturidade



Olá!


Nossas discussões diárias sobre a escassez de profissionais qualificados e o desafio de desenvolver jovens profissionais para a liderança – cenário enfrentado atualmente por todas as organizações – nos levam a investigar e intensificar nossa leitura a respeito.


Neste processo, identificamos um fator essencial que impacta o desempenho dos profissionais: a maturidade. Competência técnica, inteligência e foco não bastam mais. Ser um bom líder requer também maturidade.


Então, como estimular comportamentos relacionados a esse fator para que profissionais sejam capazes de lidar com situações mais complexas?


A seguir um panorama sobre essas questões e o processo de aceleração de desenvolvimento que apresenta a maturidade como um traço especialmente valorizado para o trabalho do líder.


O que é maturidade?


Pela interpretação mais comum, maturidade psicológica equivale a um grau de adaptação do indivíduo ao seu próprio meio. Por exemplo, um estudante quando chega à universidade não tem muita bagagem e pode revelar atitudes impróprias ao ambiente. Mas, ao vivenciar uma série de situações, passa a ser mais responsável, começa a refletir antes de tomar decisões e a perceber melhor o meio e as pessoas à sua volta.


A maturidade transmite a noção de desenvolvimento de um ponto inicial até um estágio mais avançado, adquirido por meio de aprendizagem ativa e de experiências significativas, que levam a um estado mais desenvolvido e refinado de competência e capacidade.


Mas que características refletem a maturidade? Quais são percebidas como as mais importantes? Esses traços podem ser aprendidos? E mais pontualmente, que indicadores de maturidade refletem características essenciais da liderança efetiva?


Maturidade engloba ser consciente da hora e do momento certo de se comportar sabendo como atuar apropriadamente, de acordo com a situação. Ter maturidade significa ser responsável, flexível, resiliente e consistente – atitudes que demonstramos socialmente.


É a forma como uma pessoa responde às circunstâncias que indica maturidade. Essa resposta em geral é aprendida e não determinada pelo estágio de vida. Ainda que exista uma curva natural de maturidade desenvolvida ao longo da existência, isso não é regra.


Independentemente da idade, maturidade está relacionada à autoconsciência, estilo interpessoal, preocupações conscientes, adaptabilidade, entre outros aspectos.


Por isso, pessoas mais jovens também podem apresentar maturidade ao ser, por exemplo, inspiradoras, comunicativas, empáticas, exercitar uma autoridade natural e até demonstrar capacidade de liderar colegas mais experientes, com quem supostamente deveriam consultar sobre suas decisões.


Em resumo, maturidade está estreitamente associada à capacidade de se adaptar, de transformar as próprias atitudes, quando necessário e apropriado.


Maturidade organizacional


O modelo de maturidade organizacional, inicialmente voltado à tecnologia, se estendeu para as práticas de gestão e liderança.


A maior parte dos modelos de maturidade define cinco níveis de evolução pelos quais as organizações passam à medida que ganham competências em cada nível. O grau de maturidade organizacional evidencia a capacidade de execução das empresas, mostrando como utilizam pessoas, processos, ferramentas, produtos e como é a gestão e a liderança, a fim de criar oportunidades de melhoria.


Segundo esses princípios, em uma organização madura, as práticas repetidas tornam-se normas, havendo uma tendência cada vez menor de “atos individuais de heroísmo”. Quanto mais alto for o nível de maturidade de uma organização, mais competitiva ela será.


Maturidade e Liderança


Fundamentalmente, por não haver uma receita, a liderança é um tema complexo que consiste em internalizar e praticar certas habilidades específicas de gestão. Em geral, há uma progressão inerente para dominar essas habilidades por meio de uma série de experiências profissionais e pessoais.


Dois fatores básicos contribuem para a habilidade de exercer o papel de líder: autoconsciência e a gestão de relacionamento com os outros. Ambos estão relacionados à adaptabilidade, qualidade que permite responder apropriadamente às exigências do momento. Sem esses atributos, a capacidade do líder fica comprometida.


Neste sentido, liderança está diretamente relacionada ao equilíbrio emocional, em ter controle das próprias emoções e ser capaz de canalizá-las de forma útil, isso é ter maturidade. Ou seja, uma habilidade essencial para o líder trabalhar construtivamente com as pessoas, ao mesmo tempo em que lida com a pressão dos problemas que ele tem de enfrentar.


Para isso, é indispensável que façam continuamente a avaliação das habilidades pessoais dentro do contexto social, aprendendo a corrigir fragilidades. Além disso, é importante que tenham disponibilidade para expandir os próprios parâmetros a partir de novas informações, aceitando e reconhecendo as diferenças alheias como algo a ser valorizado.


No entanto, na liderança, o caminho da maturidade raramente é direto e claro. As competências presentes em modelos de liderança não aparecem em sequência nem em uma progressão natural. Muitas vezes os passos para desenvolver uma competência são irregulares e espaçados.


De todo modo, para desenvolver tais habilidades é essencial ter oportunidades de se expor a experiências condizentes ao papel do líder. É essa exposição que permite sedimentar o processo de aprendizagem e assimilar novas condutas.


Resumidamente, um bom líder apresenta certas habilidades – tais como refletir sobre si mesmo, ter tolerância à frustração e ao estresse, ser observador e receptivo a mudanças e à aprendizagem – que estão relacionadas à maturidade no desempenho da liderança.


Maturidade emocional


Embora muitas empresas reconheçam a falta de experiência de vida em seus jovens talentos e futuros líderes, é preciso considerar que algumas pessoas denotam maturidade emocional ao exibir certos comportamentos, tais como:


. predisposição de estar atento à complexidade de problemas reais.

. ser aberto aos pontos de vista das outras pessoas.

. ter consciência tanto sobres suas inclinações pessoais como sobre os estilos dos outros.


Contudo, entendemos que a maturidade para desenvolver-se é necessário um comprometimento e dedicação. Mas com a ausência dessa qualidade é muito difícil que o líder mantenha-se estável.


E você? Reconhece essas capacidades em sua liderança? Conte-me aqui em baixo nos comentários, em quais situações você precisou ter maturidade para conseguir resolver.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo